Voltar

CNU recebe médico de Harvard

CNU recebe médico de Harvard

CNU recebe médico de Harvard

1º Fevereiro 2018

Dr. Robert Janett, professor da Harvard Medical School e executivo da Cambridge Health Alliance, fez uma palestra para a liderança da CNU sobre o modelo de Atenção Integral à Saúde.

Com o objetivo de oferecer um suporte ainda melhor para seus beneficiários, a Central Nacional Unimed está implantando um novo modelo assistencial, denominado por Atenção Integral à Saúde. Para apresentar, refletir e discutir esse tema, a operadora promoveu para sua liderança o II Workshop de Atenção Integral à Saúde.

O evento contou com a participação de Robert Janett, professor da Harvard Medical School e executivo da Cambridge Health Alliance, que trouxe a palestra “Atenção Primária à Saúde: Fundamentos – Qualidade Assistencial e Eficiência”. Janett também participou das palestras “Atenção Integral à Saúde: Modelo de Sistema de Saúde Sustentável” e “Produto Atenção Integral à Saúde – Compartilhando Experiências entre o modelo nacional e internacional”.

Como funciona

Esse modelo assistencial reflete uma estratégia frente às necessidades atuais de cuidados com a saúde, pautando-se na integralidade, na coordenação e na integração do cuidado. Nesse modelo assistencial, o contato inicial com o paciente se dá por meio da unidade de atenção primária à saúde, responsável por toda a organização da rede assistencial.

Saiba mais sobre o atendimento humanizado oferecido pela Central Nacional Unimed clique aqui

O conceito de time de cuidado, constituído por um médico de referência e uma equipe multidisciplinar (enfermeiros, equipe de enfermagem, psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, serviço social, entre outros), é fundamental para a organização desse sistema, exercendo papel facilitador para a gestão eficiente do cuidado, e para a navegação do paciente pela rede do cuidado.

O médico de referência se dispõe a dar uma assistência personalizada diante das singularidades dos seus pacientes, criando vínculo empático entre eles e seu time de cuidado, que se perpetua em longo prazo. Além disso, o sistema conta com a elaboração de plano de cuidados personalizado e metas a serem atingidas, promovendo o engajamento do paciente na autogestão de sua saúde.

A realidade brasileira

Em sua palestra, Robert Janett apontou que o sistema de saúde brasileiro ainda não está preparado para os problemas de saúde atuais. Para ele, esse sistema deve ser baseado na confiabilidade entre equipe e pacientes para funcionar bem, assim como na gestão de doenças crônicas, para que exista menos avanço das enfermidades e uma melhor distribuição de tarefas.

“Antes que o médico veja o paciente, ele já colheu uma amostra de sangue, já atualizou seu esquema vacinal. Isso tira o peso dos ombros do médico e distribui responsabilidades com o time de cuidado. Assim, cria-se um fluxo de trabalho, no qual é necessário o planejamento antes, durante e depois”, ressalta.

Confira algumas dicas para aumentar a sua imunidade e proteger seu corpo de doenças clique aqui

Ele trouxe exemplos de sua clínica em Boston, onde atende pacientes diabéticos. Janett contou que o simples fato de se sentar com sua equipe toda segunda-feira e avaliar as fichas de seus pacientes já melhorou significativamente os números relacionados aos exames laboratoriais, tais como hemoglobina glicada, LDL-colesterol, além de outras avaliações, tais como pressão arterial, fundo de olho, os pés e a necessidade de internação hospitalar. São ações simples, que diminuem os gastos e melhoram o bem-estar dos pacientes.

Também apresentou resultados obtidos pelo Sistema Unimed, por meio da implantação da Atenção Integral à Saúde: Guarulhos (SP), Jaboticabal (SP) e Vitória (ES). “A atenção primária é fundamental. Se fortalecemos a atenção primária, fortalecemos o sistema como um todo”, conclui.



Média (0 Votos)

COMPARTILHAR: