Voltar

Saúde é um dos maiores empregadores do Brasil

Saúde é um dos maiores empregadores do Brasil

Saúde é um dos maiores empregadores do Brasil

27 Junho 2014

27 de junho de 2014

 

Tudo indica que os negócios vinculados à saúde estarão entre os maiores empregadores do Brasil nos próximos anos. Segundo o Ministério do Trabalho são oferecidas 150 mil vagas neste segmento. Não somente para médicos, enfermeiros, farmacêuticos e gestão hospitalar, mas também para administradores, gestores de RH, profissionais de TI e de marketing. 
 
"Na medicina suplementar, a maior demanda é por especialistas no atendimento ao cliente, em recursos humanos, auditoria, medicina preventiva, vendedores, advogados, contadores e atuários", explica o presidente da Central Nacional Unimed, Mohamad Akl. Ele Ressalta que sempre serão necessários, também, médicos, principalmente pediatras e clínicos gerais.
 
O presidente destaca, além disso, oportunidades em cooperativas Unimed, que detêm, em conjunto, um terço do mercado de planos de saúde no Brasil. "Precisamos de profissionais que, além de dominar suas áreas, entendam de cooperativismo, uma forma de organização diferenciada, com características específicas". Em 1998, quando foi fundada, a CNU tinha um grupo inicial de 50 colaboradores, aproximadamente. Hoje, são mais de mil.
 
Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), referente ao período de 2009 a 2012, médicos e engenheiros são os profissionais com nível superior mais bem pagos do Brasil. O IPEA também informou que, em igual período, enfermeiros e farmacêuticos foram dois dos cinco profissionais mais requisitados em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.
 
Em termos de especialização, projeta-se uma grande demanda, por exemplo, de gerontólogos, os médicos com completa visão sobre os desafios à saúde dos idosos. Em 2020, 32 milhões de brasileiros devem ter 60 anos ou mais, projeta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
Mas haverá necessidade de outros profissionais, como cuidadores de idosos, especializados no atendimento conhecido como ‘home care', ou seja, em casa, em processos de desospitalização. Somente na Central Nacional Unimed, o Núcleo de Apoio ao Paciente Internado (NAPI) cuidou, ao longo de 2013, de 519 pessoas, que receberam acompanhamento especial durante a internação (em hospital, casa de repouso ou home care).
 


Média (0 Votos)

COMPARTILHAR: