Voltar

Mandioca: muitos nomes, usos e benefícios

Mandioca: muitos nomes, usos e benefícios

Considerada o alimento do século pela ONU, a mandioca é versátil, saborosa e nutritiva

Mandioca: muitos nomes, usos e benefícios

3 Agosto 2021

O nome científico é Manihot Esculenta Crantz. Mas essa raiz é conhecida por muitos outros nomes Brasil afora: mandioca, macaxeira, aipim, maniva, castelinha, uaipi, maniveira, pão-de-pobre… E tão variados quanto os nomes são os benefícios que esse ingrediente tão presente na nossa culinária traz para a saúde de quem consome.

Farinha de mandioca, tapioca, mandioca cozida, assada, frita... são múltiplas as formas de consumir – isso sem falar no uso industrial.

Tanta versatilidade e poder nutricional somados à resistência do cultivo a pragas e secas fez com que a mandioca fosse eleita pela ONU como o alimento do século 21!

Vamos conhecer um pouco mais? Na sequência, você confere:

 

Tipos de mandioca

Benefícios da mandioca para a saúde

Formas de consumo da mandioca

 

Tipos de mandioca

A mandioca é dividida em dois grupos: mandioca-mansa e mandioca-brava. Embora aparentemente iguais – a diferenciação considera o tempo de colheita e o nível de ácido cianídrico (que é uma substância tóxica) presente na raiz.

  • Mandioca-mansa (ou de mesa): é a que encontramos em supermercados e feiras e chamamos de aipim, macaxeira etc. Menos fibrosa e de mais fácil cozimento, tem baixo nível de ácido cianídrico e é perfeita para consumo.
  • Mandioca-brava (amargosa ou industrial): colhida tardiamente, a mandioca-brava contém elevado grau de ácido cianídrico e, para ser consumida, precisa passar por processos de secagem ou de longo cozimento, a fim de eliminar a substância. Ela é utilizada na indústria para a fabricação de farinha, polvilho e fécula.

 

Benefícios da mandioca para a saúde

A mandioca é um amido naturalmente livre de glúten, o que torna sua farinha e outros derivados uma ótima opção para celíacos ou pessoas com intolerância.

Mas os benefícios são para todos! As raízes da mandioca-mansa são ricas em carboidratos complexos e fibras.

Essa combinação fornece energia para o corpo e, ao mesmo tempo, evita os picos de açúcar no sangue. Isso porque a glicose desse tipo de carboidrato é liberada mais lentamente no corpo – o que poupa o pâncreas e reduz o risco de diabete tipo 2.

É também graças a essa “dobradinha” que a mandioca proporciona a sensação de saciedade por mais tempo. Mas os benefícios da mandioca não param por aí.

Além de energia, a raiz tem baixo percentual de gordura e é fonte de vitamina C e minerais como cálcio, fósforo, potássio e magnésio.

Alguns cruzamentos geraram variedades de mandioca ainda mais nutritivas: as rosadas apresentam o antioxidante licopeno e as amarelinhas contém betacaroteno (precursor da vitamina A, poderoso antioxidante que protege contra as doenças do envelhecimento).

 

Propriedades nutricionais em 100 gramas de mandioca cozida:

Energia  125 kcal    Cálcio 19 mg
Proteína  0,6 g   Magnésio 27 mg
Lipídios  0,3 g   Fósforo 22 mg
Colesterol N/A   Ferro 0,1 mg
Carboidrato 30,1 g   Potássio 100 mg
Fibra alimentar 1,6 g   Vitamina C 11,1 mg

Fonte: Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos

 

Formas de consumo da mandioca

São muitas as maneiras de consumir a mandioca na sua forma natural: cozida, em sopas e purês, assada ou frita (essa última é a menos saudável). O cozimento simples em água com um fio de azeite e um pouquinho de sal ajuda a preservar os nutrientes. Consumida junto com uma proteína e legumes, a refeição fica completa, proporcionando mais saciedade.

Para garantir maciez, mantenha a mandioca imersa na água do cozimento até a hora de servir.

  • Dica para a hora de comprar: escolha a mandioca com cor uniforme da polpa – seja branca, amarela ou rosada. Evite as que tiverem coloração cinza e as que tiverem manchas ou estrias escuras.

Mas também consumimos mandioca de muitas outras formas, a partir de seus derivados:

  • Farinha de mandioca: pode ser usada em pães, bolos e, claro, na tradicional farofa para acompanhar carnes e feijoada
  • Tapioca: é produzida a partir da goma que sobra na fabricação da farinha de mandioca, e pode ser consumida recheada, pura, em dadinhos de tapioca ou nesta deliciosa receita de pão de tapioca.
  • Polvilho: é resultado da decantação da mandioca e existem duas variedades: o polvilho azedo (usado em pão de queijo e sequilhos) e o polvilho doce (ingrediente de beiju, chipas paraguaias, bolinhos e biscoitos)
  • Sagu: as bolinhas produzidas a partir da fécula de mandioca, quando umedecidas, ficam gelatinosas e são usadas como base em sobremesas, sendo que as mais famosas são aquelas feitas com vinho
  • Tucupi: um caldo amarelo, aromático e ácido, o tucupi é extraído da raiz da mandioca-brava e cozido com temperos. De origem indígena, é muito tradicional na culinária do norte do Brasil. As receitas mais famosas são o tacacá e o pato no tucupi
  • Maniva: a folha da mandioca moída (também chamada de maniva) é transformada na maniçoba, um prato da culinária indígena comum no Pará. Cozida com carnes salgadas e folhas de louro em um processo que leva sete dias, também é chamada de feijoada sem feijão. O longo tempo de preparo é essencial para evaporar o ácido cianídrico

 

Outros usos da mandioca

O amido de raiz de mandioca também pode ser utilizado na fabricação de produtos farmacêuticos até a produção de compensado, papel e bioetanol.

A rama da mandioca (a parte do caule) é usada triturada em rações de bovinos e equinos, já que chegam a ter até 28% de proteína.

Existe contraindicação para o consumo de mandioca? Não, mas é preciso conter qualquer excesso. Apesar de ter um índice glicêmico menor que muitos alimentos, as pessoas que têm diabetes precisam atentar para o cálculo de carboidrato antes de consumir, combinado?

Uau! São muitos benefícios e usos da mandioca. Não é à toa que ela foi escolhida como o alimento do século pela ONU. Qual é a sua receita para aproveitar tudo isso?

 

Fontes: Embrapa - Ministério da AgriculturaBrasil EscolaSebraeRevista da Associação Baiana de MedicinaFAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations


Texto: Agência Babushka | Edição e Revisão: Unimed do Brasil

Revisão técnica: equipe médica da Unimed do Brasil


Média (6 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em