Voltar

Por que não esquecer do alongamento

Por que não esquecer do alongamento

Alongar é importante mesmo para quem não é atleta. Entenda a importância dessa prática e os cuidados necessários para realizá-la

Por que não esquecer do alongamento

17 Maio 2019

Você sabia que o nosso corpo sente a necessidade de se alongar desde o momento que acordamos? É só lembrar como é forte o impulso natural de espreguiçar ao acordar. Ao estirarmos todos os músculos, alongamos desde a cabeça, passando pelo pescoço, tronco, coluna, até chegar aos pés, sem que percebamos. Certamente, esse hábito auxilia muito mais o despertar do que simplesmente acordar e levantar de súbito. Mas especialistas reforçam que, ao longo do dia, também são necessárias pequenas pausas para se alongar, seja em casa, no trabalho ou na academia.

De acordo com o Colégio Americano de Medicina do Esporte, os exercícios de alongamento são fundamentais em um programa de condicionamento físico. Mas eles também trazem benefícios para quem não pratica nenhuma outra atividade física.

Sobram benefícios

Segundo os estudos, alongar o corpo é essencial ao organismo porque promove o estiramento de boa parte das fibras musculares, além de propiciar uma amplitude maior dos movimentos, melhorando o funcionamento de todo o corpo. Sem contar que também melhora a postura, justamente porque os movimentos têm como foco a manutenção ou a elevação dos níveis de mobilidade e elasticidade.

Outro benefício do alongamento é que ele aumenta a sensação de bem-estar, diminui dores e tensões e possibilita maior consciência corporal, requisito fundamental para o equilíbrio e o alinhamento da postura. Com isso, ele ajuda a manter o corpo menos tenso e mais flexível, melhorando a movimentação das articulações e aumentando a disposição.

Com a prática regular de alongamento, os músculos passam a suportar melhor as tensões diárias e da atividade física, prevenindo o desenvolvimento de lesões musculares.

Como alongar

Confira algumas dicas de como fazer um alongamento ativo de maneira simples, em casa ou no trabalho, segundo indicações do Hospital Israelita Albert Einstein:

Comece pela respiração: respirar fundo aumenta o relaxamento muscular. É a respiração que dá ritmo ao exercício e, por isso, deve ser lenta e profunda.

Alongue todo o corpo: em pé, elevando os braços, ficando na ponta dos pés.

Quadríceps: em pé, fique de frente a uma parede. Apoie a mão direita na parede, dobre a perna esquerda e segure a ponta do pé com a mão esquerda. Repita o exercício invertendo braço e perna.

Panturrilhas: em pé, mantenha os braços esticados contra a parede. Leve uma das pernas para frente dobrando levemente o joelho. Faça uma flexão neste joelho enquanto mantém a outra perna esticada. Repita com a outra perna.

Posterior da coxa: deitado, eleve a perna e, com apoio de uma toalha fixada à planta do pé, puxe-a em direção ao tronco. Segure por 30 segundos e repita com a outra perna.

Braços: estique o braço direito e alongue-o para o lado esquerdo. Com a ajuda do braço esquerdo, intensifique o alongamento, respeitando o seu limite. Repita o movimento com o outro braço.

Ombros e tríceps: eleve o braço, dobre o cotovelo e empurre-o para aproximar a mão da escápula. Repita com o outro braço.

Costas: em pé, braços estendidos acima da cabeça, dedos das mãos cruzados, palmas para cima, incline seu tronco para o lado, segure a posição e repita para o outro lado.

Peitoral: entrelace os dedos das mãos atrás do corpo e mantenha a posição.


Texto: Fabiana Gonçalves | Edição: Thaís Guimarães de Lima | Design: Alex Mendes e Fernanda Assato

Fonte: Hospital Israelita Albert Einstein, Cia Atlhetica e Unesp

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (11 Votos)

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em