Voltar

Mitos e verdades sobre aneurisma cerebral

Mitos e verdades sobre aneurisma cerebral

Confira algumas perguntas e respostas sobre a doença, seus sintomas e tratamento

Mitos e verdades sobre aneurisma cerebral

29 Março 2022

 

Depressão Infantil  

Vamos fazer uma analogia:

se você analisar o nosso corpo como uma grande orquestra, o cérebro pode ser considerado o maestro. É ele que rege todo o sistema nervoso, responsável por nossas ações, voluntárias e involuntárias.

Quando ocorre qualquer problema que possa prejudicar o desempenho do maestro – o cérebro – toda a orquestra desafina.

 

É isso que acontece no diagnóstico de um aneurisma cerebral. Esta doença é causada pela dilatação na parede da artéria intracraniana, vaso sanguíneo que promove a circulação de sangue no cérebro. Quanto mais grave é a dilatação, maior é a estrutura cerebral que ela comprime, podendo provocar sintomas como visão dupla, fotofobia ou, até mesmo, convulsões.

O aneurisma cerebral é uma doença silenciosa e, por estar localizada em uma região tão importante e sensível do nosso corpo, é pauta de muitas dúvidas.

Vamos falar um pouco sobre elas?

 

 

Existe algum fator de risco para o aneurisma cerebral?

Não existe uma causa específica para o aneurisma cerebral, porém algumas pessoas têm mais predisposição para desenvolver a doença. Alguns fatores possuem relação mais próxima à formação ou presença de aneurismas, como tabagismo, hipertensão arterial, fragilidade na parede das artérias cerebrais e ser do sexo feminino.

Estima-se que o histórico familiar possa ser responsável por até 15% dos casos e o risco aumenta com o envelhecimento.

 

Quais são os sintomas?

Consulta médica

Por ser uma doença lenta e silenciosa, os sintomas também podem ser bem discretos no início, começando por dores de cabeça e atrás dos olhos. Estes sintomas podem ser ampliados com o agravamento da dilatação ou o seu rompimento, provocando náuseas e vômitos, alteração nos batimentos cardíacos, visão dupla, formigamento no rosto e na cabeça, confusão mental e perda de consciência.

 

 

Como é feito o diagnóstico do aneurisma cerebral?

Os exames principais para detectar a doença são a angiotomografia e a angiorressonância, tomografia e ressonância, respectivamente, específicos para os vasos sanguíneos. Se necessário, o neurologista pode solicitar estes exames após consulta médica e avaliação dos sintomas. Quanto maior a dilatação, mais fortes eles se apresentam e mais rápido a doença pode ser identificada. No entanto, algumas pessoas podem ter um aneurisma bem pequeno e não ter nenhum sintoma por toda a vida.

 

 

Aneurisma cerebral tem tratamento? Existem remédios para atenuar os sintomas?

Após diagnosticado, o aneurisma deve ser avaliado por um neurocirurgião. Não existe tratamento medicamentoso para a doença, o que é feito por intervenção cirúrgica.

São duas técnicas para tratar o aneurisma cerebral. A primeira é por uma microcirurgia para colocar um clip que comprime a dilatação impedindo o seu rompimento. A segunda é menos invasiva, com a introdução de um cateter pelas artérias que conduz vários fios de metal maleáveis para o interior do aneurisma, impedindo a entrada de sangue e protegendo o vaso sanguíneo de se romper.

 

Por mais que o aneurisma cerebral não tenha causas totalmente conhecidas, vimos no decorrer deste artigo que, em alguns casos, sua ocorrência tem a ver com os nossos hábitos. Por isso é importante lembrar que devemos manter atividades saudáveis, alimentação equilibrada e o check-up sempre em dia. Afinal, a orquestra do nosso corpo precisa do seu maestro – o cérebro – sempre presente.

 

Leia também sobre a importância de manter o nosso corpo hidratado e confira algumas dicas para quem quer virar a chave e começar uma atividade física .

 

Fontes: Hcor | Albert Einstein

 

 


Agência Babushka | Edição e Revisão: Unimed do Brasil

Revisão técnica: equipe médica da Unimed do Brasil


Média (7 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em